Pró-Vida | A Vida que não Vivi


Ouça o Momento de Reflexão com a interpretação Maria Júlia Sauer

Fui concebida num certo dia de dezembro.

Até o primeiro mês minha mãe não tinha certeza da minha existência.

Mas a partir do segundo mês, mamãe já sabia que eu tinha vida. A princípio eu pensava que corria tudo bem, porém, a partir deste mês, passei a notar que algo acontecia de estranho.
Nos primeiros dias, pouco me importei, pensando que fosse produto da própria gestação de minha mãe.

Mas depois, percebi, que forças estranhas queriam me derrotar. Mas, como muito sacrifício, consegui superar esta fase, e atingir o terceiro mês.

Eu já tinha meu corpinho formado e era uma beleza de criança. Me desenvolvia normalmente, e era uma criança muito alegre.

Vocês querem ver só?

Quando minha mãe estava quieta, eu mais do que depressa me esticava toda, e dava pontapés em mamãe. Eu pensava que mamãe estava feliz da vida, ao saber que dentro dela havia um ser que já a amava. Eu estava ansiosa em conhecê-la melhor.

Os dias foram passando. E quando eu estava com quatro meses, minha mãe pronunciava palavras terríveis. Dizia que queria se ver livre de mim. E por isso tomou um certo remédio, tentando eliminar-me.

Eu já tinha vencido a primeira batalha. Mas não conseguia vencer a segunda, porque o adversário era muito mais forte. Eu não tinha forças suficientes para lutar contra aquela que eu mais amava.

Minha respiração foi ficando muito dificultada, até me vencer por completo.
Minha mãe conseguiu tirar minha vida. Uma vida que eu nem cheguei a conhecer.

Ai! Minha mãe. Porque me tiraste do teu ventre? Porque me colocaste na terra para me pisar com seus próprios pés?

Porque dificultaste minha respiração, tentando parar um coração que só queria te trazer bondade?

Ah! Mãezinha. Porque fizeste isto comigo? Porque? Até hoje não consegui entender mãezinha!

Lembra mãe, se nada tivesse acontecido, eu hoje estaria brincando com outras crianças.

Mas sabe? Aqui no céu é dia das crianças. Minhas colegas todas pediram presentes e ganharam. Mas o meu não veio. E sabes o Por que?

Eu preferia ficar junto de ti mamãe. Mas não permitiste. Elas também perguntaram a razão de minha chegada, mas eu sem querer culpa-la não respondi nada.

Alguém falou que cada pessoa na terra tem uma estrela no céu, e quanto mais bondosa for a pessoa na terra, mais brilhante esta estrela se tornará. No entanto mamãe, a sua estrela está muito escura.

Será que as lágrimas que derramo sobre elas estão tirando o seu brilho? Será que é por isso? Eu pedi a Deus para te perdoar mamãe. Mas Ele ainda não me respondeu.

Mamãe eu sei, tu terás que ser julgada. Mas se fores condenada, assim mesmo estarei ao teu lado para te proteger.

E sabes Porque?

Porque ainda te amo. E porque apesar de tudo, és minha MAMÃE.


Assista ao filme “O Grito Silencioso”

O filme que há anos tem alertado as mulheres para a crueldade do crime do aborto

O “Momento de Reflexão” você ouve de Segunda a Sexta-feira às 18:45 no programa Vozes da Paz pela rádio Nova São José FM, 96.9, Deus abençoe.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *