Milagre do Santo Rosário em Hiroshima: de 6 de agosto de 1945

Em suas aparições, em Fátima e Lourdes, Nossa Senhora pediu insistentemente aos videntes para que rezassem o terço sempre. Ela disse aos pastorinhos, em Fátima, que “não há problema de ordem pessoal, familiar, nacional e internacional, que o santo terço não possa ajudar a resolver”. Por isso, o terço e o rosário tornaram-se orações amadas pelo povo de Deus. O Papa João Paulo II disse que essa era “a sua oração predileta”; sempre o víamos rezando-a. Na sua Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae, de 2005, São João Paulo II disse: “Uma oração tão fácil e, ao mesmo tempo, tão rica merece verdadeiramente ser descoberta de novo pela comunidade cristã”.

Hiroshima e Nagasaki

Em 1945, os Americanos lançaram a bomba atômica sobre duas cidades Japonesas, Hiroshima e Nagasaki.

13.02.2010III

Nesta última, num raio de um quilômetro e meio do centro da explosão, ficou tudo arrasado e todos os habitantes morreram carbonizados. A casa paroquial com oito moradores Jesuítas, que distava apenas 800 metros da explosão, ficou de pé e os seus moradores ficaram ilesos. O Pe. Hubert Shiffer era um deles e tinha então 30 anos. Depois viveu mais 33 e juntamente com os moradores não sofreram as conseqüências da radioatividade.

Ele contou a sua experiência no Congresso Eucarístico da Filadélfia (EUA) em 1976. Neste mesmo ano, todos os membros daquela comunidade continuavam vivendo em ótimo estado de saúde sem sofrer as conseqüências da explosão.

O Pe. Shiffer foi examinado e interrogado por mais de 200 cientistas que não puderam explicar como, no meio de milhares de mortos, ele e seus companheiros tinham podido sobreviver. O Pe. Shiffer afirmou que centenas de cientistas e pesquisadores por vários anos continuaram a investigar por que a casa paroquial não foi atingida quando tudo ao redor ficou arrasado.

E o Padre explicou, dizendo: Naquela casa se rezava todos os dias, em comum, o Santo Rosário. Por isso, foi protegido por Nossa Senhora?.

Milagre do Rosário em Hiroshima: de 6 de agosto de 1945 | Testemunho do Padre Schiffer S.J., sobrevivente de Hiroshima.

Durante a Segunda Guerra Mundial duas cidades japonesas foram destruídas por bombas atômicas: Hiroshima e Nagasaki.

Em Nagasaki, como resultado da explosão, todas as casas em um raio de aproximadamente 2,5 Km do epicentro onde caíra a bomba, foram destruídas. Aqueles que estavam dentro das casas ficaram soterrados, os que estavam fora, ficaram queimados.

Nome meio desta tragédia, uma pequena comunidade de Padre Jesuítas viva junto a Igreja Paroquial, a somente oito quadras (aproximadamente 1 Km) do epicentro da queda da bomba. Eram missionários alemães servindo o povo japonês. Como os alemães eram aliados dos japoneses , haviam lhes permitido ficar naquela localidade.

A Igreja junto a casa dos Jesuítas ficou destruída, porém a casa permaneceu de pé, e os membros da pequena comunidade jesuíta nada sofreram, e nem sequer quaisquer seqüelas por parte da radiação, perda de audição,ou nenhuma outra enfermidade ou efeito.

O Padre Hubert Schiffer foi um dos Jesuítas de Hiroshima, e tinha 30 anos quando explodiu a bomba atômica nessa cidade. Ele viveu até os 63 anos de idade gozando de boa saúde. Ele narrou suas experiências em Hiroshima no Congresso Eucarístico que aconteceu na Filadélfia,nos Estados Unidos em 1976. E nesta época os outros oito membros da comunidade Jesuíta estavam todos vivos.

O Padre Schiffer foi examinado e interrogado por mais de 200 médicos e cientistas que foram incapazes de explicar como ele e seus companheiros haviam sobrevivido ao desastre atômico.

O Padre Schiffer atribuiu à proteção da Virgem Maria a salvação de suas vidas, e disse: “Eu estava no meio da explosão atômica e estou aqui, vivo e salvo. Não fui atingido pela destruição”.

Durante vários anos Centros de Pesquisas e especialistas estudaram as razões científicas pelas quais aquela comunidade de Jesuítas não foram afetados pela explosão atômicas.
Padre Schiffer explicou que a única coisa que faziam de diferente na casa no momento da explosão é que: “rezávamos o Rosário diariamente na casa”.

Na outra cidade, também devastada pela bomba atômica, NagasaKi, São Maximiliano Kolbe, havia estabelecido um convento Franciscano, que também nada sofreu, ficando intacto. Os irmãos foram protegidos graças a proteção da Virgem Maria. Ali também diariamente rezavam o Santo Rosário.

Jornal “LOS ANGELES TIMES” de Aug. 6, 1957 – New York

Fonte: http://www.corazones.org

O “Momento de Reflexão” você ouve de Segunda a Sexta-feira às 18:45 no programa Vozes da Paz pela rádio São José FM em 96,9, Deus abençoe.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *