Os bêbados e a canoa

Certa vez, dois amigos foram a uma festa. Mas, para chegar ao local o único acesso era passar por um rio. Como o rio era largo a alternativa era atravessar de canoa. E assim o fizeram. Ao achegar no outro lado da margem, entraram na residência e começou a festa. Houve muita diversão, encontraram os amigos, e os dois começaram a beber. Beberam muito!

Quando o relógio marcava umas três da manhã, um olhou para o outro e disse: “amigo, a gente tem que ir embora senão nós vamos ficar muito bêbados e nem conseguir remar”.

Com dificuldade foram para a beira do rio, entraram na canoa e um deles disse: “Olha! você dorme um pouco e eu fico remando; depois a gente troca e você rema o restante”. E assim fizeram.

Um remava um pouco, depois trocava com outro. Remaram quinze, vinte minutos; à frente apenas a escuridão, a nevoa e o silêncio, e começaram a ficar com medo e um gritou: “força! rema mais forte miserável, o rio vai nos levar embora”. Quatro da manhã, e nada de chegar; remaram a noite toda até ficarem exaustos e acabaram dormindo os dois.

Quando o dia amanheceu e já havia passado um pouco o efeito da cachaça, os dois amigos se olharam e começaram a rir. Um deles perguntou: “do que você ta rindo?” Ele respondeu: “É que a gente remou a noite toda, só esquecemos de desamarrar o barco”. 

Para Refletir

Às vezes, ao olhar para as pessoas ao nosso redor sentimos que elas não são livres, “andam amarradas”. Não estamos amarrados com uma corda, mas aos nossos pecados, medos, raivas, solidão, ansiedade, tristeza, sentimentos de culpa, depressão, estresse. Somos escravos.

O problema é que muitas vezes achamos que o normal é viver assim. Vivemos num estado de escravidão.

Jesus, hoje, pergunta a você: “Você deseja ser curado? Ser liberto?” Cristo não vai tomar uma atitude se não dissermos “sim” para Ele.

Todos nós sabemos que ao usarmos um remédio errado ou uma terapia equivocada podemos causar um dano enorme a nós mesmos. Muitas vezes, estamos diante de Jesus e queremos dizer a Ele o que fazer. Mas não vai funcionar porque Ele nos conhece por dentro e por fora. Então, a questão é confiar no Senhor, dizer a Ele: “Eu confio em Vós. Cura-me da maneira que o Senhor achar que deve me curar”.

Às vezes, não compreendemos a maneira como Deus Pai usa para nos curar. A questão é que o Senhor tem um plano diferente para cada um de nós. A minha cura total acontece no momento em que eu me entrego totalmente nas mãos de Deus.

Muitas pessoas realmente rezam, leem a Palavra, mas esta não se torna vida em suas vidas. O que está acontecendo? Falta-lhes o “Ruah”  o Sopro que transforma a vida. Já temos o Espírito Santo por meio do Batismo e do Crisma, mas, muitas vezes, não permitimos que Ele aja. Por isso, Jesus falou a Nicodemos: “Você precisa ser batizado no fogo”. Que fogo é esse? É exatamente o fogo que desceu sobre os apóstolos no dia de Pentecostes.

Eu preciso dessa força para não ser enganado pelo mal, para lutar contra o pecado, para continuar fazendo a vontade de Deus em tudo na minha vida. Mas quem é que vai me dar toda essa força de que eu preciso? Só se eu for batizado no Espírito Santo de Deus. Estarei, então, aberto para o Senhor realizar toda a cura em mim.

Reze a Oração à Nossa Senhora Desatadores dos Nós.

Virgem Maria, Mãe do belo amor, Mãe que jamais deixa de vir em socorro a um filho aflito, Mãe cujas mãos não param nunca de servir seus amados filhos, pois são movidas pelo amor divino e a imensa misericórdia que existem em teu coração, volta o teu olhar compassivo sobre mim e vê o emaranhado de nós que há em minha vida. Tu bem conheces o meu desespero, a minha dor e o quanto estou amarrado por causa destes nós. Maria, Mãe que Deus encarregou de desatar os nós da vida dos seus filhos, confio hoje a fita da minha vida em tuas mãos. Ninguém, nem mesmo o maligno poderá tirá-la do teu precioso amparo. Em tuas mãos não há nó que não poderá ser desfeito. Mãe poderosa, por tua graça e teu poder intercessor junto a Teu Filho e Meu Libertador, Jesus, recebe hoje em tuas mãos este nó… Peço-te que o desates para a glória de Deus, e por todo o sempre. Vós sois a minha esperança. Ó Senhora minha, sois a minha única consolação dada por Deus, a fortaleza das minhas débeis forças, a riqueza das minhas misérias, a liberdade, com Cristo, das minhas cadeias. Ouve minha súplica. Guarda-me, guia-me, protege-me, ó seguro refúgio! Maria, Desatadora dos Nós, roga por mim.

Fonte: Adaptado do Artigo: Libertos de nossas amarras | Portal Canção Nova


Se desejar ouvir, é só clicar no “Play”

O “Momento de Reflexão” você ouve de Segunda a Sexta-feira às 18:45 no programa Vozes da Paz pela rádio São José FM em 96,9, Deus abençoe.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *