Cada Comunidade uma Nova Vocação: Monge Trapista conta sobre sua vocação

Ação Evangelizadora cada comunidade uma nova vocação é uma inspiração de Deus. Ela abrange 51 Dioceses da Igreja Católica, milhares de comunidades para rezar pelas vocações e partilhar pelas redes sociais testemunhos de quem vive com alegria a sua vocação.

Testemunho de Dom Bernardo Bonowitz, OCSO

Nascido em 1949 em Nova York, de uma família judia oriunda da Bielorrússia. Aos dezenove anos recebeu o batismo na Igreja Católica. Formou-se em Letras Clássicas pela Universidade de Columbia, e concluiu seu Mestrado em Teologia pela Weston Jesuit School of Theology em Massa chusetts.

Designado para o Brasil em 1996, há 22 anos, Dom Bernardo Bonowitz foi eleito Abade do Mosteiro Trapista Nossa Senhora do Novo Mundo, localizado em Campo do Tenente/PR – Em um descontraído bate-papo no programa Vozes da Paz apresentado pela rádio São José FM, fala sobre vocação, o dia a dia de um monge e sobre sua conversão ao catolicismo.
 
Em abril de 2018, Dom Bernardo comemorou seu aniversário de 69 anos, e em 25 dezembro desse ano comemora 50 anos de batismo na igreja católica.

Ouça a Entrevista à Rádio São José

Numa vida contemplativa, Afastado do mundo, o Trapista purifica seu coração mediante a Palavra de Deus, a oração e uma ascese libertadora que o fazem humilde e obediente à semelhança de Cristo.

Chamado por Deus, o Monge Trapista se consagra integralmente a buscá-lo tendo o Evangelho por guia, vivendo-o segundo a Regra de São Bento ora et labora (oração e trabalho, e vida em comunidade), sob um abade, e em uma comunidade que é escola de caridade fraterna. Por possuírem os irmãos um só coração e uma só alma, todas as coisas lhes são comuns.

Sobre o Mosteiro Trapista em Campo do Tenente/PR

Na tradição cisterciense, os laços de filiação entre o mosteiro fundador (Casa-Mãe) e a comunidade por ela fundada (Casa-Filha) constituem um forte vínculo de amizade e identidade, por toda a vida.

A “genealogia” (origem) de nossa comunidade poderia ser assim resumida:

A Abadia de Citeaux (Cister), mãe de toda a Ordem, fundou Notre-Dame de Melleray no ano 1134.
Durante a Revolução Francesa, a Igreja e as Ordens monásticas passaram a sofrer graves e persistentes perseguições. Muitos mosteiros da Ordem foram fechados, os monges expulsos e obrigados a procurar refúgio em mosteiros fora da França. A Abadia de Melleray se contava entre esses mosteiros supressos.

Foi também no contexto de grandes perseguições – desta vez durante as guerras napoleônicas – que D. Agostinho de Lestrange, mestre de noviços do mosteiro de La Trappe, antevendo a destruição eminente do mosteiro, reuniu em 1791 um grupo de pouco mais de 20 monges que partiu, a pé, para os Alpes suíços, onde encontraram refúgio na velha cartuxa de La Val Sainte, então abandonada e em ruínas.

Anos depois, novas perseguições obrigaram os monges a partir de La Val Sainte, desta vez rumo à Inglaterra, onde fundaram um mosteiro em Lulworth (Dorset). Vinte e três anos depois, terminadas as perseguições na França, a comunidade se transferiu para Melleray, repovoando o antigo mosteiro. A comunidade de Melleray floresceu vigorosamente, e entre suas fundações está o primeiro mosteiro cisterciense na América: Nossa Senhora de Gethsemani, nos Estados Unidos. O ano era 1848.

A comunidade de Gethsemani conheceu uma expansão espantosa, especialmente após a Segunda Guerra Mundial, chegando a quase três centenas de monges. Uma de suas fundações, no estado de Nova York, foi Nossa Senhora de Genesee.

De Genesee partiram os cinco monges com destino ao Brasil, para uma fundação em nosso país. A comunidade começou em uma propriedade no município da Lapa, Paraná, mudando-se em 1983 definitivamente para a cidade de Campo do Tenente, Paraná.

Para conhecer mais sobre o mosteiro trapista acesse: (mosteirotrapista.org.br)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *