Mensagem: O Menino com Câncer

Sally pulou da cadeira quando viu o cirurgião chegar.

– Como está meu filho? Ele vai ficar bom?

O cirurgião respondeu:

– Sinto muito, fizemos tudo o que estava ao nosso alcance. Sally, exasperada, dirigiu-se a Deus:

– Deus, por que as crianças têm câncer? Será que o Senhor não se preocupa com elas? Onde o Senhor estava quando meu filho precisou? O cirurgião, sem saber como responder a isso, disse:

– Uma das enfermeiras sairá para deixar a senhora uns minutos com o corpo de seu filho, antes que o levem para a universidade.

Sally pediu à enfermeira que a acompanhasse enquanto se despedia de seu filho. A enfermeira perguntou se ela queria guardar alguns fios de seu cabelo, e ela aceitou. A enfermeira cortou uma mecha, colocou em uma bolsinha de plástico e deu-a a Sally, que disse:

– Foi ideia de Jimmy doar seu corpo à universidade para ser Disse que poderia ser útil a alguém. Era o que ele desejava. Eu, a princípio, neguei-me, mas ele me disse: “Mamãe, eu não o usarei depois que morrer. Deixe que ajude uma criança a desfrutar de um dia a mais ao lado de sua mãe.” Meu Jimmy tinha um coração de ouro, sempre pensava nos outros e desejava ajudá-los.

Sally saiu do Hospital Infantil pela última vez. Colocou a bolsa com os pertences de Jimmy no assento do caro, junto a ela. Foi difícil dirigir de volta para casa, e mais difícil ainda entrar na casa vazia. Levou a bolsa ao quarto de Jimmy e arrumou os carrinhos em miniatura e as demais coisas do menino como ele gostava. Sentou-se na cama do filho e chorou até dormir, abraçando seu pequeno travesseiro. Acordou por volta da meia-noite. Junto a ela, havia uma Bíblia. Orou ao Espírito Santo para que seu coração se enchesse de paz.

Com muita fé, abriu a Bíblia, aleatoriamente, no livro da Sabedoria. À medida que lia o texto sagrado, seu coração se enchia de serenidade e gratidão. Eis o texto:

O justo, porém, ainda que morra prematuramente, encontrará descanso. A velhice venerável não é a de uma longa duração e nem se mede pelo número de anos; o bom senso equivale aos cabelos brancos, uma vida sem mancha, à idade avançada. Agradando a Deus, o justo é amado por ele; vivendo entre pecadores, Deus o transferiu para outro lugar. Foi arrebatado para que a malícia não lhe pervertesse a inteligência, nem o engano seduzisse sua alma. Pois o fascínio da frivolidade obscurece os valores verdadeiros, e a inconstância das paixões transtorna a mente sem malícia. Tendo alcançado em pouco tempo a perfeição, completou uma longa carreira: sua alma era agradável ao Senhor, que por isso apressou-se em tirá-lo do meio da maldade. As pessoas veem isso e não compreendem, e não refletem, em seu coração, que a graça e a misericórdia são para os eleitos do Senhor, e que ele intervém em favor dos seus santos” (Sb 4,7-15).

Daquele instante em diante, Sally louvou a Deus pelo tempo que Jimmy esteve com ela e tomou a firme decisão de ser voluntária em algum hospital especializado no tratamento de crianças com câncer. Seu coração se encheu de paz.

Para refletir

Em todas as etapas da vida, independentemente da idade, a morte nos faz sofrer e questionar a Deus. Quando perdemos um ente querido, a fé nos consola, mas a saudade machuca e faz chorar. Aceitamos melhor a morte quando ela vem visitar um idoso, ou um doente em fase terminal. Mas quando quem morre é uma criança, a dor parece ainda maior. Muitas famílias já enfrentaram a dor de sepultar uma criança entendem perfeitamente o que estou dizendo. Quando a dor da saudade parecer insuportável, diga, ou quem sabe, cante:

Segura na mão de Deus, segura na mão de Deus
Pois ela, ela te sustentará
Não temas segue adiante e não olhes para atrás
Segura na mão de Deus e vai

Em 2016, o Papa Francisco encontrou na Sala Paulo VI, pacientes, famílias, funcionários e colaboradores do Hospital Pediátrico “Bambino Gesù”. E dentre as perguntas feitas pelas crianças, William, uma criança norte-americana de sete anos, perguntou ao papa qual seria o milagre que faria, se pudesse.

«Querido William, curaria as crianças. Ainda não consegui entender porque é que as crianças sofrem. Para mim é um mistério. Não sei dar uma explicação. Interrogo-me sobre isso. Rezo sobre esta pergunta: porque é que as crianças sofrem? É o meu coração que põe a pergunta. Jesus chorou, e chorando compreendeu os nossos dramas. Eu procuro compreender. Se pudesse fazer um milagre, curaria todas as crianças. O teu desenho faz-me refletir: há uma grande cruz escura e por trás está o arco-íris e o sol que esplandece. Gosto. A minha resposta à dor das crianças é o silêncio ou uma palavra que nasce das minhas lágrimas. Não tenho medo de chorar. Também tu não deves ter medo.»

Papa Francisco: Por que as crianças sofrem?

Rodeado de um grupo de meninos e meninas – pacientes e irmãos dos pacientes do hospital –, o Santo Padre indicou que “nem mesmo Jesus deu uma resposta” para esta pergunta. “Vivendo em meio a nós, não nos explicou por que sofremos”.

Entretanto, disse o Papa, Jesus “nos demonstrou o caminho para dar sentido também a esta experiência humana: não explicou porque se sofre, mas, suportando com amor o sofrimento, nos mostrou por quem se oferece. Não porque, mas por quem”.

Por que as crianças sofrem?”, insistiu novamente Francisco. “É uma das perguntas abertas de nossa existência. Não sabemos. Deus é injusto? Sim, foi injusto com o seu Filho, o levou à cruz. Mas é nossa existência humana, é a nossa carne que sofre nessas crianças. E quando a pessoa sofre, não fala: chora e reza em silêncio.

“Não há resposta para essa pergunta. Apenas devemos olhar para o crucifixo e deixar que Jesus nos dê a resposta”.

Que a dor da pena seja amenizada pela certeza da ressurreição. Se Jesus ressuscitou é poque ressuscitaremos com Ele, nós e os nossos, principalmente as crianças.

“Marta, então, disse a Jesus: Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido. Mesmo assim, eu sei que o que pedires a Deus, ele te concederá. Jesus respondeu: Teu irmão ressuscitará. Marta disse: Eu sei que ele vai ressuscitar, na ressurreição do último dia. Jesus disse então: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que tenha morrido, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais. Crês nisto? Ela respondeu: Sim, Senhor, eu creio firmemente que tu és o Cristo, o Filho de Deus, aquele que deve vir ao mundo” (Jo 11,21-27).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *