Mensagem de Fé: O Buraco

O menino corria empurrado pelo vento, empinando a pipa que o pai fizera para ele no domingo. Sorria, fazia gestos, quando o brinquedo subia mais alto. Na sua fantasia de criança, via anjos voando na rabeira da pipa, loucos para laçá-la.

Depois imaginava dragões lutando por ela, e ele dava mais linha para que subisse mais e mais alto, e assim, escapasse de ser capturada. Queria que ela entrasse nas nuvens e chegasse até Deus. Não se cansava.
 
Corria, como a sua imaginação, pela estradinha de terra. Corria de costas quando caiu num buraco. Tentou sair, não conseguiu. O buraco tinha uns cinco metros de profundidade. Gritou, ninguém ouviu. Chamou pela mãe. Começou a chorar, pois tinha medo do escuro e dentro daquele poço era muito escuro. Estava com tanto medo. O medo era tão grande que fazia dele uma formiguinha enroscada com a cabeça entre os joelhos.

Já havia passado algumas horas. Olhou para cima e viu que o dia estava indo dormir de tão cansado que estava. Sentiu vontade de fazer xixi, mas como, se não podia sair do buraco. Fez ali mesmo. A fome e a sede, ele não tinha como saciá-las. Olhou para cima e viu uma estrela. Já era noite. O poço estava mais escuro ainda. O medo aumentava.

Ele gritou mais uma vez, nada. Ninguém respondeu.

Parecia que o mundo ficara deserto de repente. E a pipa, pensou, será que Deus a recolheu? Ou será que outro menino estava com ela. Lembrou-se de uma musiquinha que sua mãe cantava para ele adormecer.

“Mãezinha do céu, eu não sei rezar;  Eu só sei dizer: ‘Quero te amar'”

Cantarolou. O desespero chegou com toda a sua força. Gritou, gritou até sentir que a garganta doía.

Adormeceu naquela posição incômoda. Quando acordou viu todo o esplendor do sol na boca do buraco. Então, lembrou-se que seus colegas podiam estar por ali empinando pipa. Gritou muito. Nada.

E novamente o dia foi embora, a noite chegou com a lua vestida de dourado com seu manto negro bordado de estrelas. No dia seguinte choveu, e ele aproveitou para matar a sede. A fome continuava lá, roendo as paredes do estômago. Bebeu a água da chuva e sentiu amenizar um pouco a dor. Bendita seja a água que engana a fome.

Foi neste dia que aconteceu, ou melhor, nesta noite. Ele, depois de gritar muito, rezou. Rezou como só as crianças sabem fazer.

– Deus, avise a minha mãe e ao meu pai onde estou. Diga que estou com saudades deles, que estou com muita fome e frio, que estou com muito medo de ficar sozinho nesse buraco. Queria tanto que viesse alguém para me tirar daqui. Deus, se senhor está zangado porque eu quis que pipa chegasse até o céu, me perdoe. Eu só queria que o senhor visse a beleza de pipa que o meu pai fez. Deus, eu peço que não me abandone aqui. A minha mãe sempre fala do senhor. Ela diz que o senhor ama as crianças e que perdeu seu filho nas mãos dos malvados.  A minha mãe fala da Sua Mãe. Eu espero que o senhor não deixe a minha mãe me perder, como a Sua não te perdeu naquele dia na igreja, aos 12 anos;  ela não suportaria. Amém.

Terminada a prece, ele olhou para cima e viu uma moça sentada à borda do buraco. Ficou feliz. Pediu, com sua vozinha de infante:

– Moça, me tira daqui! Minha mãe deve estar preocupada porque eu não voltei pra casa. A moça prontamente respondeu:

– Espera, meu filho, a hora está chegando. Você não está só.

– Como não? Estou aqui faz dias. Grito, grito e ninguém me escuta? Acho que vou morrer aqui, pois nem Deus ouviu o meu grito.

– Lembra da oração que fez e do pedido?

– Lembro.

– Então, eu estou aqui?

– Me tira daqui, moça! Por favor?

– Ah, meu querido, a minha função é tomar conta de você até que chegue a pessoa que o tirará daí.

– E como você me achou aqui, se ninguém ouviu os meus gritos?

– Isso você entenderá quando for um homem maduro e fizer um balanço de sua vida. Compreenderá tanta coisa, inclusive este momento que vive agora.

Ele chorou sem esperança. A moça, condoída, estendeu a mão no ar e ele sentiu o afago nos seus cabelos. Como ? perguntou para si mesmo ? se estava num buraco fundo, aquela moça, lá em cima, conseguiu passar a mão na sua cabeça se ela tinha braços normais? Não disse nada, só chorou mais forte.

Enquanto isso, os pais, em desespero, procuravam por todos os cantos do bairro aquele menino de treze anos, desaparecido misteriosamente. Já estavam no nono dia e nada do garoto. Até que um seu amiguinho lembrou de o ter visto naquela estradinha empinando a pipa. E todos partiram para lá. Foi quando a moça lhe disse:

– Que tal gritar mais uma vez? Ao que ele respondeu:

– Não adianta, ninguém vai ouvir?

– Vamos, tente, quem sabe!

– Não tenho forças.

– Vamos, meu filho, tente só uma vezinha.

Então ele pôs, na garganta, tudo que restou das suas forças e gritou:
– Mãeeeee, me tira daqui.

Alguém da comitiva de busca ouviu e gritou:

– Encontramos o Marquinhos!

Lágrimas de alegria e felicidade em todos os rostos diante do milagre. Foi muito trabalho para retirá-lo daquela profundidade. Finalmente saiu. Abraçou os pais, que entre lágrimas agradeciam a Deus ter encontrado o menino vivo, quando ele, procurando com os olhos disse:

– Cadê a moça que estava sentada na borda do poço?

– Filho,- disse a mãe ? não havia ninguém aqui.

– Mas ela era igual a aquela imagem da igreja; muito bonita, muito mais bonita. Era ela o tempo todo mamãe! era ela – Nossa Senhora.

Adaptado do artigo original – O Buraco de: Maria Hilda de Jesus Alão
 


Se desejar ouvir, é só clicar no “Play”

O “Momento de Reflexão” você ouve de Segunda a Sexta-feira às 18:00hrs no programa Vozes da Paz pela rádio São José FM em 96.9, Deus abençoe.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *