Há 19 anos paraplégico, Antonio testemunha cura pela interseção de Nossa Senhora

Antonio José da Silva ficou paraplégico por 19 anos / ao lado da Irmã Maria Sebastiana da Silva que o acompanhou


 
Antonio natural de Mafra – SC, localidade de General Brito interior do município, em novembro de 2016 completou seu sexagésimo aniversário. São 60 anos de uma história marcada por uma vida bastante sofrida, mas que traz uma história emocionante de fé e superação.

Antonio José da Silva, filho de Ernesta e Eusébio da Silva levavam uma vida simples. Quando Antonio nasceu sua mãe Eusébia por problemas após o parto perdeu totalmente a visão. Antonio cresceu, e estudou apenas até o primeiro ano do primário, pois precisava ajudar a mãe guiando-a pelas ruas de casa em casa, pedindo ajuda aos vizinhos.

O tempo passou… Antonio cresceu, casou-se com Maria do Rosário Rodrigues da Silva, moradora também da comunidade de General Brito. Mal sabia ele, que Maria do Rosário, já era um nome que significaria muito na sua vida; uma mulher que seguraria sua mão num grande calvário que havia de passar; Mas que depois da cruz, a certeza da ressurreição viria.

Fruto do casamento também vieram os filhos. Antonio trabalhava numa fábrica de compensados na época. Um acidente de trabalho prejudicou a coluna. Foi internado várias vezes em hospitais em Rio Mafra. Os dias, as semanas se passaram, vieram às fisioterapias, e numa tarde fria e chuvosa, em uma das seções de fisioterapia aquática, onde nesse tipo de fisioterapia há a utilização de uma piscina terapêutica, Antonio após sair da piscina numa temperatura considerável boa para o tratamento, porém, o calor do corpo requer cuidados para evitar o choque térmico com a temperatura baixa fora do estabelecimento. Antonio, sem dinheiro para ônibus sai da seção de fisioterapia com a temperatura ambiente do corpo elevada, e faz o trajeto para sua casa a pé. A chuva fina e o frio intenso causaram em Antonio, já a poucos metros de sua casa, um choque térmico que atrofiou todos os músculos de Antonio e aos poucos foi perdendo os movimentos. Como Antonio não tinha dinheiro para cirurgia na época não teve outra opção há não ser permanecer com o problema de saúde mas confiando na Providência Divina.

Foi gradativamente perdendo a visão, não enxergava nem mais os próprios filhos, e, ali começava uma das maiores lutas que viria a enfrentar.

Antonio ficou paraplégico por 19 anos, seu leito era sua cama, com o auxilio de sua esposa in memorian – Maria do Rosário.
Não caminhava, pois os músculos de seus pés haviam atrofiado de maneira que suas articulações ficaram linear. Os braços e mãos atrofiaram de maneira que precisava a todo o momento e total dependência para se alimentar. Seu banho e higiene era somente deitado na cama. Além da atrofia um tumor do tamanho de uma laranja, cresceu na região da coluna o que ocasionava dores terríveis e o medo de não saber do que se travava.

Foram tempos difíceis, mas que Antonio já entendia o sentido de Deus ter lhe dado uma “Maria do Rosário”.

Antonio pode ter frequentado somente o 1º ano da escola primária, mas a fé desse homem transformou esses 19 anos numa escola que nenhuma universidade poderia ensinar – A Vontade de viver.

Entrevista à Rádio São José – programa Vozes da Paz

Nesse tempo nunca perdeu o sorriso. A motivação mesmo dependendo de pessoas para tudo, via nisso uma oportunidade de alegrar os outros a sua volta.

Recebeu nesse tempo muitos amigos verdadeiros. Amigos que como na passagem daqueles quatro homens que carregavam o paralitico em uma maca até Jesus; essa cena traduz exatamente a vida de Antonio, segundo ele. Ao invés de quatro homens, Antonio que desejava muito ir a Santa Missa, era carregado por dois amigos que o suspendiam no ar e o levava à paróquia Nossa Senhora das Graças para receber a Eucaristia. Foram anos nessa situação.

Padres, amigos, ministros da Eucaristia visitam Antonio em seu leito levando a esperança, a palavra de Deus e quando não podia ir a Igreja recebia a Eucaristia em sua casa.

Numas da visitas recebe uma visita especial. Um convite para fazer a novena a Nossa Senhora das Graças, ali, em seu leito mesmo. Antonio aceita. Foram nove dias de novena, e nessa novena ele pedia que Deus pela intercessão de Nossa Senhora enviasse um anjo a sua vida para curar essa enfermidade.

E sua oração foi ouvida!

A Misericórdia de Deus veio através de pessoas muito especiais. Uma amiga de infância de Antonio e a presença do sacerdote indicam-lhe um tratamento com medicina alternativa – Acupuntura. Antonio nesse tempo só agradecia a Deus por poder iniciar o tratamento. Um imagem que ele jamais irá esquecer, o primeiro dia que a acupunturista desce o trajeto que dá acesso a sua humilde casa, passa pelo portão de madeira e, encontra aquele homem há 19 anos naquela situação. A emoção de Antonio reconhece, depois de sua esposa, a 2ª visita de Nossa Senhora a sua casa. Tamanha emoção ao saber que a acupunturista que lhe acompanharia era uma irmã da congregação das irmãs Franciscanas da Santíssima Trindade – seu nome – Maria Sebastiana da Silva.

Cheia de compaixão Irma Maria iniciaria um tratamento gratuito de 9 meses ao Sr. Antonio; um trabalho voluntário de amor ao próprio Cristo enfermo. O tratamento era realizado a cada 15 dias.

Próximo de completar 9 meses de tratamento, com a fé, a Eucarística, e a oração, Antonio recebe o milagre que tanto orou e pediu.

Numa das seções de acupuntura o tumor localizado na coluna de Antonio, certo dia, perfurou-se, mas não externamente; foi de forma interna. A inflamação desses 19 anos que havia ocasionado o atrofiamento dos músculos e paralisia “estourou” por dentro do seu corpo. “Continha um cheiro horrível” narra Antonio. Naquele dia 5 banhos foram necessários, pois, a inflamação fluía pelos poros, algo nunca visto antes.

Em poucos dias a visão que havia parcialmente perdido, voltou… começou a poder se sentar novamente, e, logo a dar os primeiros passos…

E o tão esperado encontro chegou!

No dia 20 de maio de 2016 o programa Vozes da Paz foi visitar Sr Antonio acompanhado de irmã Maria. Andando, com sorriso no rosto, ele mesmo veio nos receber já no portão de sua casa. E nos conta que seu maior sonho nesses 19 anos, era um dia poder receber os amigos e a Irmã Maria, ele próprio, no portão de sua casa, andando.

Para Irmã Maria com mais de 15 anos de experiência com esse tratamento, esse encontro é presenciar um verdadeiro Milagre.
No dia 31 de maio de 2016, dia em que comemoramos a visitação de Nossa Senhora a sua prima Isabel, vemos Nossa Senhora que continua a visitar seus filhos e a levar o Cristo Jesus aos corações que o invocam.

Para irmã Maria a vontade de viver foi umas maiores e mais bonitas lembranças da época do tratamento.

Irmã Maria – Irmãs Franciscanas da Santíssima Trindade

Irmãs Franciscanas da Santíssima Trindade

O carisma das irmãs Franciscanas da Santíssima Trindade é trabalhar com a Educação e a Saúde, em especial a Medicina Complementar. A Igreja católica não se opõe ao tratamento das medicinas alternativas como a acupuntura, enquanto tratamento apenas, ou seja, sem o uso da filosofia oriental no tratamento. Por isso, a Igreja recomenda verificar a procedência do tratamento para não ser compatível com a fé cristã.

 

Irmã Maria Sebastiana da Silva com 26 anos de vida consagrada, somente em Rio Negro-PR, já atendendo a mais de 15 anos em hospitais e casas de atendimento conta que a procura pela medicina alternativa é grande, mas que ainda há muito que se fazer.

Mensagem Final

Vale à pena lutar pela vida! Acreditar que o maior Milagre é acordar todos os dias ter saúde, ter a vida que Deus nos dá. Poder andar, caminhar, dançar, sorrir, brincar com os filhos, conclui Antônio.
 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *